Metodologia para Correlação da Condutividade Elétrica do Solo e da Frente de Molhamento para subsidiar o controle da irrigação

Seminarista: Eng. Agr. Francisco de Assis Profeta

Dia da apresentação: AINDA A CONFIRMAR

 

RESUMO

A princípio uma área de cultivo agrícola, irrigada através de um sistema pivô central, será escolhida.  Para isso tem-se a disposição áreas no campo de pesquisa da EMBRAPA arroz e feijão em Santo Antonio de Goiás. Com a utilização de um terrômetro digital, que auxilia na aplicação do método de Wenner para a medição da resistividade do solo.  Levantar e registrar os dados que permitirão obter as curvas de condutividade elétrica em setores representativos dos quadrantes dessa área agrícola. Para o cálculo da condutividade elétrica, será usada uma nova modelagem de estratificação horizontal e vertical do solo de acordo com CALIXTO, 2012. Nas mesmas áreas onde a condutividade elétrica foi determinada serão também medidos e registrados os dados de umidade do solo, bem como a caracterização química, em especial, as condições de saturação ou não por potássio. Pretende-se, portanto, co-relacionar as curvas de condutividade elétrica com a quantidade de água presente no solo e a partir de então interpretar os efeitos deste parâmetro, água, nas referidas curvas de condutividade elétrica do solo. Após isto, aplicar a metodologia desenvolvida e testada, na área primeira área, para outras de diferentes texturas e propriedades físicas ou químicas.

 

Palavras chave:

Frente de Molhamento; Condutividade Elétrica; irrigação; Manejo do solo; pivô central.

Apresentação completa: Francisco Assis – Metodologia para Correlação da Condutividade Elétrica do Solo e da Frente de Molhamento para subsidiar o controle da irrigação